PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DA CANA-DE-AÇÚCAR - UFSCAR

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon

REDE INTERUNIVERSITÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR SUCROENERGÉTICO - RIDESA

Todos os direitos reservados

YOUR BRAND

Add your tagline.

Conheça Nossa

História

Histórico

A história do PMGCA originou-se em 1971, quando foi instituído o PLANALSUCAR - Programa Nacional de Melhoramento da Cana-de-Açúcar, designado para atuar como área de pesquisas do antigo IAA – Instituto do Açúcar e do Álcool. O objetivo era renovar o elenco de variedades de cana-de-açúcar disponíveis, inclusive algumas importadas, sobre as quais se assentava a produção sucroalcooleira do país, e representado por variedades antigas, em cultivo já há vários anos, com sinais evidentes de deterioração, ou que haviam sido criadas para atender condições específicas de apenas algumas regiões produtoras. A criação do novo programa coincidiu com a expansão gerada pelo impulso que o Proálcool representou para a expansão da cultura da cana-de-açúcar. Este cenário foi perfeito para absorver os novos genótipos muitos dos quais se caracterizaram por serem ecléticos e, desta forma, atendiam a uma expressiva diversidade de condições edafo-climáticas, criada pela expansão das áreas de cultivo.

Imagem 1. IAA - Planalsucar.

Numa primeira fase o programa teve abrangência nacional, com estações experimentais distribuídas nos principais estados produtores de açúcar e álcool. Nessa época foram criadas variedades, as quais são identificadas pela sigla RB, e que ainda hoje representam expressiva percentagem da área cultivada, como por exemplo, a RB72454. Após a extinção do PLANALSUCAR, ocorrida juntamente à do IAA em 1990, a RIDESA – Rede Interinstitucional de Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro, grupo composto por 10 universidades, e mais recentemente as Universidades Federais do Piauí e Mato Grosso, absorveu todo o trabalho de pesquisa anteriormente desenvolvido pelo PLANALSUCAR, dando, portanto, não somente continuidade ao programa de criação de variedades novas, mas ampliando-o para atender a crescente demanda do setor, inclusive com variedades que permitem a ampliação do período de colheita, com a criação de variedades mais precoces.

As universidades que compõem a RIDESA são as seguintes:

Imagem 2. Universidades federais integrantes da RIDESA.

O PMGCA, programa desenvolvido pela UFSCar, continuou sua atuação em nível nacional, interagindo com pesquisadores das outras universidades participantes da RIDESA, mas com atuação centrada na região sudeste. As sementes utilizadas no processo de seleção continuaram a ser produzidas na Estação de Cruzamentos localizada em Serra do Ouro, Alagoas. Para viabilizar a execução das atividades do programa foi estabelecida parceria com produtores interessados em colaborar na obtenção de novas variedades, sendo, então, as fases experimentais do programa distribuídas em áreas de colaboradores que, desta forma, participam ativamente do processo de seleção genética.

 

Este programa tem sido constantemente renovado, contando com um número crescente de empresas parceiras. Como resultado, nesta nova etapa da existência do PMGCA, vinte e três variedades já foram liberadas, cinco delas em 1992, quatro em 1995, seis em 1998, quatro em 2001 e outras quatro em 2006